Monday, May 29, 2017

I need a fix

'cause i'm going down

começo pelo meu cabelo
não consigo relaxar, sinto sono, preciso dormir.
não posso: amanhã tenho que acordar cedo, preciso deixar passar o tempo certo.
penso que talvez eu me sinta assim por estar usando o mesmo cabelo ha tanto tempo.
preciso mudar o cabelo.

decido alisar. eu tinha decidido parar.
decido pintar.
na verdade, não.
não quero ter trabalho hoje.
ando de dieta. engordei bons 3kg que quero mandar embora.
só que não me peso mais.

tento forjar uma roupa.
um belo sobretudo que faça eu parecer mais descolada.
tecido sintético, calor. fujo do desconforto faz tempo.
paro pela metade. minhas costas doem.

hora no facebook enquanto espero meu alisamento fazer efeito.
só na franja (não posso assumir que voltei a alisar).
minhas belinhas historietas criadas nas ultimas semanas voam livres por aí
olhos rapidos sem armazenar nenhuma informação.
ouço uma música ou duas. me sinto mais perto dos meus planinhos.
além de não fazer sentido, são artificio-virtuais.
e no campo das ideias me suprem de magia.

re-ligo o computador.
leio um texto ruim. quero escrever também.
não ia mais publicar texto meu.
sou muito misteriosa e marcante e intensa.
minhas coisas são segredos - pra ninguém.

quero tudo que não vejo e só.
dia entra e dia sai
frito com quem me disser que preciso emagrecer
que eu deveria me exercícitar.
que meus relacionamentos não me completam.
é tudo biopolítica.
os cachorros latem e me irritam.

ah, a vida e suas palhaçadas.
é tudo hilário pq no fundo
e no raso
eu nem ligo.

Monday, January 04, 2016

Deveria ter errado mais,

tentado mais
e morrido mais vezes de amor.
me deixado ser seduzida inúmeras vezes pelo mundo e pelas possibilidades.
Pq há em mim uma imensa habilidade de sentir.
A maioria das pessoas só não consegue entender corações tão densos.
Kein problem!
A questão toda agora, é não ter medo.
Vou continuar sendo seu problema. E amar você. O négocio é não ter medo do peito aberto.
Porque nada na vida vale mais do que as minhas borboletas.
E por me dá-las tão prolongadamente,
Obrigada.
Estou vivendo, do meu jeito.
e eu sei que você não,
mas eu gosto dele.

Friday, December 11, 2015

tudo cinza

No meu novo quarto azul, esta a vida que voce me deu.
Estou impregnada de voce.
Te amando a todo minuto.

Friday, December 04, 2015

Adiar

Por aqui ngm considera trespassing ou invasao de espaco. Nao ultrapasso assim, um milimetro do que vc propos, nao desrespeito sua imposicao de limite, nao surto, nao te bloqueio, ou nenhuma das minhas atitudes desesperadas pra dizer que te amo.

Vou me afastar. Quero nao me sentir diariamente um peso, um algo a ser evitado, um algo que tem dia, hora e lugar para que possa acontecer.

Percebi perfeitamente que eh a unica coisa viavel de ser feita pelo bem de ambos. 
Minha presenca te deixa constantemente tenso e minha ausencia te conforta e relaxa, mesmo por tempo indeterminado. Ao me afastar vc estabelece um bem estar geral. Ao nao te esperar mais, posso me ver livre de toda ansiedade constante, medo de rejeicao, costume de ser rejeitada quando preciso não ser. 

Se me afastar, vc nao me rejeita mais. Assim, paro de sentir todas as dores atreladas a minhas "indevidas" ou "inapropriadas" presenca, forma de pensar e sentir (por nao se adequarem a sua percepcao de realidade). Assim, nao preciso mais abaixar a cabeca para a forma mais logica de ver as coisas, nao preciso concordar com "como as coisas funcionam" (novamente, seu modo de ver tomado como absoluto do mundo) - o que ja largara e decidira voltar por vc. Posso assim me fixar na relativização do todo e do eu e ser apenas corpo.

Minhas barbatanas nao ficam rigidas de jeito nenhum, mesmo se escapo e dou meu jeito de tentar. Estamos cheios de stress e cheios de dedos. Vc diz diariamente que vc nao pode fazer nada por mim quando visivelmente nao quer. Pq é impossível fazer o que eu peco ou imploro se não estou sendo suficientemente boa pra vc. Nao percebo se o intuito real eh punicao, demarcacao de territorio, poder ou algo fora da minha possibilidade de entender.

Decidi me desprender dos pouquissimos meses q eu fazia-te estremecer, dos meses que nos trouxemos vitalidade, beleza e infinidade de bondade e alteridade. Alteridade e amor: ja posso quase dizer que ja me esqueci como eh sentir essas coisas numa unica frequencia, produzindo um unico som. Um algo que toma por inteiro e só é possível sentir a fluidez macia e quente do ar que nos ronda.

Decidi me afastar pq ha uns 6 meses, mesmo ao seu lado, nao ouco mais tilintar de nada, nao sinto  adocicado o tônus da realidade, e nao deixo de ouvir a dissonancia do dia a dia. Isso e: o lugar que voce me leva eh o mesmo que eu posso me levar estando sozinha.

Acho q eh reciproco.